Arturo QUINTANA

A DANÇA DOS SILÊNÇOS

Teu silêncio chamou meu silêncio,

Meu silêncio aguardou que o teu silêncio fosse quebrado,

Mais o teu silêncio não quebrou,

Decidi esperar...

Aí foi que o teu silêncio e o meu silêncio se uniram,

Para revelar o nosso silêncio.

Tantas horas de silêncio revelaram pequenos silêncios,

Que foram se unindo e formando uma verdade,

Formada por outras muitas verdades,

Verdades não reveladas,

Que estavam envasadas, camufladas,

Verdades secretas, ocultas,

Nas circunvalações de nossas mentes,

Essas verdades que não querem ser reveladas,

Tal vez nem precisem,

Continuaram na escuridão,

Para ser apenas uma lembrança,

Uma vaga figura,

No tempo e no espaço,

Apenas o tempo poderá decidir...

 

Continuaremos adiante,

Sem olhar para atrás,

Cada qual em seu mundo,

Livres de culpas, de desculpas,

Um mundo novo se revela no futuro,

Seja feliz, isso e o que importa,

Seja você mesma, livre, sempre livre!!!

 

 

Prosa por;

Arturo QUINTANA



Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.