Federico Rivero Scarani

VOU ATÉ TUA PORTA

Vou até tua porta
baixo a lua cheia,
A rua molhada
E um vento sul que voa
Até as luzes
Que não entendem nada.
Levo o outono em minhas mãos
Para te obsequiar lo, minha fada,
Muitos cores, paixões e gotas
Nas folhas caídas
Como anjos do Céu.
E eu lembro daquelas palavras:
"Você me deu décadas de lágrimas
Mas não quero levá-las para o céu. "
vou até tua alma
Uma mansão em cujos quartos
Moram penumbras perfumadas,
como o orvalho na grama;
Te fertilizarei
Uma galáxia com sóis de Esperanças;
Enquanto , um vento sul
Voa as luzes que não entendem nada.

Ver métrica de este poema
  • Autor: Federico Rivero Scarani (Offline Offline)
  • Publicado: 15 de septiembre de 2020 a las 02:44
  • Comentario del autor sobre el poema: Poema para meu prezada amiga Poetisse M S Az.
  • Categoría: Gótico
  • Lecturas:


Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.