Arturo QUINTANA

MAS ALHA DO AMOR

MAS ALHA DO AMOR

 

Mais alha do amor não existe vida,

Se levantam muralhas de vazio,

Nada existe, nada brilha, não a vida,

Folias sem cores, flores mortas.

Estar acordados ou dormidos,

Sem amor não tem o mínimo sentido,

Um amor para estar juntos,

Ou divididos na lembrança dos sentidos,

Ausentes ou presentes, mais com amor ungidos.

 

O amor começa sem sentido,

Sentindo a falta de poder perdido,

Escondido nos átrios da mente, perturbando,

Invasor inesperado! Que nos salva!

De cair tontamente num vazio.

 

O tedio desta vida me acompanha,

Tal acompanha a rutina inquebrantável,

O mistério e a razão não se fusionam,

Meu espírito selvagem se revela,

Buscando amor, fugindo desta pena!

 

Calcinado coração que amor espera,

Solicito e sagaz, adulto, sem razão,

Nesta quimera,

De um amor sem retorno,

Nunca deu certo nem vai dar,

Desapareceu numa esquina,

Sem dar senha, sem espera.

 

Comentarios1

  • Arturo QUINTANA

    El Amor; rescatado en este poema, vigente o escondido, pero siempre presente, perturbando los sentidos, invasor inesperado, con o sin retorno, eterno AMOR.



Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.