maltez62

AQUELA CASA

AQUELA CASA

Ao ver outra vez aquela casa

hoje abandonada

ainda sinto como vez primeira

o cheiro da ceia ensopada

do frio da noite na lareira

que nunca se acendia

porque era aí debaixo que eu dormia.

Casa vazia que estava na rua

que se fosse minha não estarias nua

nem abandonada nem dormindo

nem cansado de um sonho lindo.

 

Cuando comia era acordado

como uma canção com dôr

quando dormia com fome e cansado

mesmo que no verão fize-se calor.

Comia uma fatia de pão

com um café de cevada

naquelas tardes de verão

imaginava manteiga mas não tinha nada

eram sempre assim nas tardezinhas

que na rádio

cantava o Teixeirinha.



Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.