maltez62

Carta de um filho no dia da Mãe

Carta de um filho

no dia

da Mãe

Mãe,

Não sei se um dia,

55 anos atrás

dormindo sentiste,

uma ligeira corrente no teu ventre

e acordaste com uma suspeita,

não foste ao laboratório

porque não podias,

mas ao saber sentiste uma alegria

que com o choro se confundia e disseste:

-Vou ser mãe outra vez.

Não sei quantas vezes olhaste ao espelho

a contemplar o enorme globo que crescia

e como um planeta habitava dentro,

esse que em particular era a gravidez.

Não sei

se aos nove meses sem poder dormir

arranjaste uma e outra vez as almofadas

se coseste ou foste a loja a comprar

meias azuis

camisinhas pequeninas

a arranjar o berço

para o novo bebé que vinha,

não sei se chegou alguma amiga

irmã ou familiares

com bordados e chapéuzinhos

biberões ou alguma lata de leite

um chupo ou um cobertor,

não sei se olhaste para o céu

ou agradeceste à virgencinha

e agradeceste essa dor empapado de alegria

por ser mãe outra vez,

não sei se anestesiada

quando te tiraron o bebé ele nasceu

 

vias a esse lindo elefantito branco

e mesmo assim sentias

que o amor era simplesmente imenso.

Não sei se puseste os meus diminutos dedinhos

na palma da tua mão

olhaste aos meus olhinhos de recen nascido

e susurraste-me ao ouvido:

Tu e eu temos um pacto,

és o filho que Deus me deu

vou criar-te para ti oh Deus do céu

e para ti oh virgem do meu coração.

Quando me ajudaste a gatear por toda a casa

ou simplesmente ponhas-me no chão e vias como gateava

puseste bancos, caixas por todo lado

e barreiras para que não caisse das escadas

e quando lavavas as minhas fraldas

e toda a minha roupinha

estava eu aí olhando-te com muita atenção

como quem sabia,

e ao pendurar acima do lavadeiro

os raios de sol e o vento

sorprenderam-te

com a minha primeira palavra:

mamã,

e correndo foste a dizer a todo o mundo:

Ele disse-me mamã.

 



Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.