Enide Santos

A fome de tua ternura

A fome que há em tua ternura

Navega vagarosamente

Pela distância que há

Entre o meu e o teu olhar.

 

Escorre ainda mareada

Escondendo-se no pequeno porto

Que abriga a tua boca

Causando-lhe saciedade.

 

Enide Santos 04-01-17

 



Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.