bjpafa

Morri!

A tenda repuxa o vento dos meus ouvidos cansados

A areia rodeia-me como uma onda de marabunta,

Enquanto acordo sózinho com a dor dos ossos desancados.

Ossos contínuamente presentes sem escape, saída

 

Uma teoria dizia que saindo dos ossos a alma vadia florescia,

Projecção astral no cimo de um carvalho ficará o esqueleto

A sorte amiga pode fazer sociedade com uma rajada e trás!

Ganhei, venci, salto metafisicamente e anuncio que morri!!

 

O cheiro a sardinhas ri-se de mim porque é hora de almoço.

 

 



Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.