bjpafa

Orisha

Todos tem os seus deuses, divinos ou terrenos,
e os altares de oração recebem o sol ou a sombra.
Invoca-se a razão a emoção, a reencarnação...
Salvem os filhos, fique por mim perdido de amores,
Que na minha campa desabrochem flores.

 

A noite assiste à maldade no púlpito da escuridão.

 

Quem prescinde da crença enfrenta a solidão

bafienta sem igreja, nem apoio que se veja 
a comunhão dos vizinhos, sozinho,
isolado, como um dado mal rolado
caído fora do copo, abaixo da mesa.

 

Tocam os sinos da igreja alheia
Marcam as horas sem demoras
Catedrais que a fé terá levantado
Enquanto o tesoureiro parou na cadeia.

 

Criançada sempre acostumada
a desconhecer as regras.
Açoites no altar da razão.
E agora que não há pão resta a ilusão,
de joelhos assentes no sagrado chão,
olhos bem fechados rezam por um balão.

 

Farmacêuticas empobrecem os pais,
vendem pílulas para o deficit da atenção.

Orishas de boca aberta rezam pelos que cá estão, 

cordas entrançadas de magia bem presente, noite e dia.

 



Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.