Antonio Amorim de Sousa

... ramo de rosas...

... adoro rosas, por isso fiz deste poema um ramo...

Rosa perfumadas, Rosas encantadas, Rosa Rainha das flores, Testemunha dos amores, Perfumada, triste ou pisada, Serás sempre rosa. Ò rosa prova de amor, Rosa vermelha, amarela, Rosa branca ou outra cor, Rosa deixa cair … minha bela… Pétalas no caminho do amor. Tens espinhos nos teus troncos, Para despertar paixões, Ò rosas, que lindas rosas, Manto dos caixões… Despertas os defuntos… Com o teu perfume inalado, Nas almas perdidas… ao céu… imaculado. Rosas e mais rosas, Rosas de todas as cores Rosas para todos os amores, O teu nome soa bem, Para canções, ou para as belas… Maria Rosa ou Rosa Maria, Rosa de papel, ou de açúcar, Que rosa linda, Linda Rosa Maria. Ave Maria, cheia de Rosas, Nos andores, nos altares, Nas igrejas, nos patamares, Das varandas… das serenatas, Ò rosas que lindas rosas, Flor do fado… e dos magnatas. Rosas milhentas rosas, Na terra e no céu, Em Júpiter e Pelotão, Rosas, lindas rosas… Mesmo caídas no chão… Rasto de paixão, Até ao cantinho do amor, Ò rosas que lindas rosas Minha flor, meu amor, Sinal de dor ou de felicidade, Até ao horizonte da eternidade. Ò Rosa meu esplendor…


Para poder comentar y calificar este poema, debes estar registrad@. Regístrate aquí o si ya estás registrad@, logueate aquí.